quarta-feira, 27 de abril de 2016

Instinto de sobrevivência


   Quase sempre, quando se fala de empreender, fala-se de instinto. Aquele feeling que diz como começar, qual nicho de mercado explorar, como dar início ao empreendimento. Mas com o dia a dia, com as contas que vêm de mês em mês, muito deste ímpeto de criar e destacar- se vai se perdendo enquanto se passam os anos. Os tempos daquela palavrinha que empresários e empregados têm medo de ouvir e pronunciar, são decisivos para o negócio. 
    A escassez, seja de recursos ou de demanda, peneiram os que se renovam e se aprofundam em conhecimento, daqueles que se acham tão bem preparados como já estavam desde o início da sua jornada.
    Outro dia li sobre como a escassez de cacau na Itália, por ocasião da II guerra que se travava no cenário mundial foi o despertar de uma nova receita que até hoje encanta. O dono da fábrica de chocolates não queria desistir de seu negócio, e para contornar o problema da falta de cacau, utilizou- se do que podia dar certo. Até então, era só uma possibilidade mas depois de tentar e testar, testificou o surgimento da deliciosa pasta de avelã.
   Assim que Pietro Ferrero driblou as condições que lhe diziam 'não' e projetou sua marca ao mundo. Utilize seu conhecimento a favor do seu negócio, mas não deixe de ir além. Se não se considera o mais criativo para resolver as situações embaraçosas, não deixe de tentar aguçar seu instinto de sobrevivência. Lute pelo seu negócio, pelas conquistas que lhe trouxeram até aqui. Certamente elas podem te levar muito além!

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

O Custo da Oportunidade



No mundo dos negócios há uma expressão que trata sobre o custo envolvido ao aproveitar – ou não – cada oportunidade: é o trade off. Na verdade, a expressão é mais utilizada quando as opções conflitam entre si. É quando se precisa abrir mão de algo em função de alguma outra coisa que se deseja obter. Em outras palavras, trade off é a escolha entre casar ou comprar uma bicicleta.
Mas, de certo modo, toda escolha representa um trade off: geralmente precisa-se abrir mão de tempo, muitas vezes de dinheiro, e pode até ser necessário deixar de lado uma boa ideia para se dedicar a outra que pareça mais rentável ou gratificante.
No dia-a-dia do empresário, os trade offs podem ser representados quando se tem de optar entre um produto ou outro para ocupar o espaço na prateleira, ou pela escolha entre dois candidatos que parecem ótimos para uma mesma vaga, ou mesmo pela decisão de fazer ou não uma promoção para atrair os clientes. As consequências de algumas escolhas têm a vantagem de serem reversíveis; outras, porém, devem ser tomadas sob uma criteriosa análise de cenários.
Quando as consequências são irreversíveis, ou pelo menos não podem ser revertidas sem grande esforço e perdas, é comum que se levante muitas dúvidas e gere bastantes burburinhos no pensamento, especialmente porque, em geral, é muito difícil quantificar o valor de uma oportunidade.
Em momentos como este, contar com a ajuda profissional de uma consultoria pode ser fundamental para tomar a decisão correta. O planejamento e o conhecimento somam forças para embasar a escolha. Quanto mais se conhecer os riscos e o retorno que pode advir de uma oportunidade, tanto mais seguro se estará na hora da tomada de decisão. A Onixx Consultoria Organizacional conta com uma equipe multidisciplinar preparada para ajudar empresários e gestores a vislumbrar as possibilidades de seu negócio ou realinhar aspectos pontuais da empresa, de modo que a permita explorar ao máximo seu potencial.
É então que mais um trade off desponta: prefiro continuar como estou, ou quero descobrir novas maneiras de alcançar o meu ‘lugar ao sol’? Em todo caso, sempre é válida uma análise do custo x benefício: ‘quanto me custará não fazer nada’ x ‘quanto poderei ganhar se eu buscar o crescimento’. Afinal, o custo de uma oportunidade é o preço que você paga por não aproveitá-la.
Bruna Gonçalves

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

O poder da Confiança





‘Certa vez, um discípulo perguntou a Confúcio (551-479 a.C), fundador do que seria a escola dos letrados (também conhecida como Confucionismo), quais as três coisas fundamentais para se ter um bom governo. Confúcio respondeu:
- Um bom exército, comida e confiança nos líderes.
O discípulo voltou a insistir, querendo saber se era possível retirar algum desses itens e continuar a se ter um bom governo. Confúcio respondeu:
- Sem um exército, um povo bem alimentado e confiante luta; sem comida, um povo que confia nos seus líderes faz qualquer coisa. Pode-se ter um bom governo sem comida e sem exército, mas sem líderes confiáveis, mesmo um país rico e bem guardado está fadado à ruína.’¹
Em analogia, os mesmos princípios podem ser aplicados às empresas e seus líderes.
Desde um exército de um homem só até o pelotão formado por centenas de soldados, o corpo de funcionários de uma organização é de fundamental importância para seu crescimento e desenvolvimento, posto que as qualidades individuais dos colaboradores possam tornar-se fonte de vantagem competitiva. Tanto maior será esta vantagem, quanto maior for a integração e motivação da equipe. É, de fato, como um exército: quanto mais habilidosos e decididos forem seus combatentes, maior a possibilidade de vitória. Precisam, apenas, ter confiança na causa e no comandante da operação.
Talvez, porém, sua equipe não seja tão habilidosa, ou não tenha as tantas ferramentas eficazes e tecnológicas que gostaria que tivessem. Mas se estão bem alimentados, lutam. O termo aqui não se limita à literalidade do ‘ter o que comer’. É uma condição que descreve os pressupostos básicos do atendimento das necessidades dos liderados. Faz-nos olhar para o que descreve Abrahan Maslow, em sua teoria sobre a Hierarquia das Necessidades, cujas conquistas galgadas abrem espaço para novos anseios do indivíduo. Ou seja, mesmo sem todo o aparato tecnológico ou sem todas habilidades que se julgam necessárias que sua equipe tenham, esta, ainda assim, se confiante nos seus líderes, podem ser fator crítico do sucesso da organização.
Voltamos, portanto, à máxima de Confúcio quando afirma que ‘sem líderes confiáveis (...) está-se fadado à ruína’. Esta passagem é verdadeira para as empresas porque, ao contrário do que se apregoa, ‘todos os colaboradores são adultos responsáveis e querem dar o melhor de si’². Os colaboradores irão perceber e reagir à maneira como são tratados, e são perfeitamente capazes de intuir a confiabilidade dos seus líderes.
Com isso, entende-se que aquele que exerça uma posição de liderança na empresa, seja como presidente, diretor, gerente, enfim, deve emanar confiança – ao cumprir suas promessas, ao zelar pelos direitos de seus colaboradores, ao reconhecer suas culpas e suas inabilidades, ao saber comunicar os objetivos empresariais – e, assim, terá maior possibilidade de liderar uma equipe que conduza a empresa à vitória.
Frente às conversas sobre a crise, à pressão por melhores condições de trabalho, ao despreparo técnico dos trabalhadores e tantos outros temas que desafiam o crescimento das empresas contemporâneas, o poder que a confiança é capaz de exercer em prol da mudança é reconfortante: não gera gastos adicionais, não tem impactos na estrutura organizacional e o efeito colateral tende a ser bastante positivo.
Mas não se engane: isto valerá apenas para enquanto sua equipe entenda e perceba uma impossibilidade de fazer, ou seja, seus colaboradores não estarão para sempre à disposição da empresa, para o que der e vier. Eles leem a situação e sabem compreender quando o salário precisa ser baixo, quando as condições não são propícias a se proporcionar benefícios e quando não há como proporcionar uma possibilidade de desenvolvimento profissional. Mas parte da confiança dos liderados em seus líderes está em saber que, quando a situação se tornar favorável, a empresa reconhecerá a lealdade nos tempos difíceis e lhes proverá a devida recompensa pelo seu trabalho.

Bruna Gonçalves.

¹  extraído do livro A Arte da Guerra, de Sun Tzu, traduzido por André Bueno, em nota de rodapé.
² adaptado de Hayes, Wheelwright  e Clark (Dynamic manufacturing: creating the learning organization, 1988, p.252)

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Onixx em crescimento: mais um Sócio na região de Conselheiro Lafaiete

A Onixx Consultoria Organizacional não apenas ajuda as empresas a crescerem, como também tem avançado em seu próprio plano de expansão. Passa a fazer parte de sua equipe a Consultora em Negócios Bruna Gonçalves, formada em Administração pela FADMINAS (Faculdades Adventistas de Minas Gerais) e Pós-graduanda no programa de MBA em Recursos Humanos da Uninter, que atenderá a região de Conselheiro Lafaiete, juntamente com o consultor Arlem Daniel.

Nascida em Belo Horizonte, cedo mudou para Lavras e, atualmente, vive na cidade de Conselheiro Lafaiete. Iniciou na Consultoria em 2010, quando participou da reativação da Consultoria Júnior da FADMINAS, sendo Presidente nos anos de 2010 e 2011 e, desde então, passou a interessar-se mais pela estratégia e o valor das pessoas nas organizações.

Segundo Bruna, “o mercado tem asas velozes, que requerem empresas igualmente ágeis em mudar e, principalmente, provocar mudanças. A organização que ignorar este fato estará, em pouco tempo, tão obsoleta que não terá forças para lutar contra seus concorrentes.”

O contato com Bruna pode ser feito pelos telefones (31) 98721-8620 (Oi) e (31) 99319-0427 (Tim) e também pelo e-mail bruna@onixxconsultoria.com.br

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Onixx Consultoria realiza minicurso para Dentistas de Lavras e Região

No último dia 30 de outubro, o professor universitário e consultor de negócios Thales Marden realizou o mini curso "Gestão Eficaz do Consultório: O sucesso do seu negócio em suas mãos" para os dentistas de Lavras e região.


O  mini curso foi uma realização do CRO-MG - Unidade Lavras, em parceria com a Prefeitura Municipal de Lavras e o apoio do Unilavras.

Durante o mini curso foram tratados assuntos como:

- Entendendo o Consultório Odontológico como um Negócio
- Gestão do Negócio Consultório
- Fazendo Marketing do seu Consultório com foco em Resultados
- Gestão Financeira do Consultório: Custos e formação de preço.

Pensar, administrar e buscar resultados de um consultório odontológico é, hoje, uma evolução no conceito da gestão desse tipo de negócio. Estamos deixando pra trás o velho paradigma dos negócios ligados à saúde humana e partimos para uma revolução no conceito do negócio, enfatizando sempre a importância de se cuidar do ser humano, objetivo do profissional de saúde, mas não esquecer nunca a sustentabilidade econômica e financeira do consultório.

O propósito deste trabalho foi iniciar uma reflexão no dentista quanto suas habilidades para gerir seu negócio na perspectiva de uma pessoa que busca resultados concretos, sejam eles financeiros ou não.


terça-feira, 22 de setembro de 2015

Onixx Consultoria expande sua base de atuação e possui dois novos colaboradores

A Onixx Consultoria, cumprindo uma de suas metas, inicia seu processo de expansão territorial no sul do estado e região metropolitana de Belo Horizonte e abre duas novas filiais, uma na cidade de Conselheiro Lafaiete e outra em Bom Sucesso.


Na cidade de Conselheiro Lafaiete, contamos com a chegada do Consultor Arlem Daniel, Administrador na UFOP, formado em Administração de Empresas pela Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ), possui pós-graduação em Gestão Estratégica de Marketing e Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Compras. É mestre em Administração, tendo trabalhado com pesquisas na área de Marketing e Comportamento do Consumidor. Tem experiência com consultoria há mais de 10 anos na região.
O novo consultor da Onixx Arlem atuará na região dos municípios de Ouro Branco, Ouro Preto, Congonhas, Conselheiro Lafaiete, Itabirito, Entre Rios de Minas, Jeceaba, Mariana entre outros. Segundo o consultor Arlem Daniel "o mercado brasileiro tem-se tornado cada vez mais competitivo, o que torna de fundamental importância o papel do consultor junto às empresas, nas definições e redefinições estratégicas em seus negócios. Ter planejamento com metas bem definidas e controle integrado de todo processo, com métodos eficazes, é condição sine qua non para qualquer negócio, que convive hoje em um cenário de tomada de decisões instantâneas". Arlem atenderá pelo telefone (31) 9814-1131 e pelo e-mail arlem@onixxconsultoria.com.br.




Já em Bom Sucesso contamos com a parceria de Suzen Carvalho, que é formada em Gestão Comercial pelo Unilavras, pós-graduanda em Gestão Estratégica de Pessoas e recentemente viveu uma experiência profissional ímpar: morou e trabalhou no Japão, onde teve a oportunidade de conhecer mais sobre uma cultura milenar admirada e copiada por vários outros países desenvolvidos. O Japão é notoriamente conhecido por criar, desenvolver e exportar diversas metodologias de trabalho, principalmente pela Toyota. Segundo Suzen "o desafio é promover no Brasil uma mudança de cunho comportamental. Trazer para os empresários e funcionários sugestões de mudanças nas pessoas o que permitiria um resultado positivo no negócio".


Suzen atenderá pelo número de telefone (35) 9752-1648 e também pelo e-mail suzen@onixxconsultoria.com.br. Suzen atuará nas cidades de Bom Sucesso, Santo Antônio do Amparo, Nazareno, São Tiago, Lavras, Perdões, entre outras.

Em breve traremos mais novidades quanto ao planejamento de expansão da Onixx Consultoria e aumento do seu quadro de colaboradores.

A vida de uma brasileira no Japão: experiência de vida distante do Brasil

Quando desembarquei na terra do sol nascente minha primeira impressão foi literalmente estar do outro lado do mundo. Um choque de cultura. Sabia que iria enfrentar um grande desafio na terra do sol nascente.

Viver no Japão me proporcionou experiências valiosas. Eram muitas e muito fortes as diferenças: idioma, alimentação, cultura. Mas a cada dia eu superava as dificuldades e aprendia tudo que podia. Algumas vezes me sentia desanimada pois trabalhava duro em uma linha de produção por longas jornadas de trabalho diárias. Estava a 18.000 km de casa usando a tecnologia para amenizar a saudade, fazendo mímicas para me comunicar, enganando o paladar com o que encontrava por lá. Mas estava firme nos meus propósitos, afinal a experiência era única e valorizada em todos os cantos do mundo, pois os métodos japoneses são desejados e copiados como referência de qualidade e funcionamento.
Não é de hoje que os padrões nipônicos são venerados pelo mundo todo e muitas empresas desejam funcionários que tenham trabalhado no Japão e que possam contribuir com a implementação de tais métodos. O mais conhecido é o chamado 5S, que em japonês se refere a Seiri(Senso de utilização – 整理), Seiton(Senso de organização – 整頓), Seisou(Senso de limpeza – 清掃), Seiketsu(Senso de saúde e limpeza – 清潔) e Shitsuke(Disciplina – ). Temos também outros métodos implantados pela toyota, ou toyotismo, que consiste em não desperdiçar, seja tempo ou matéria-prima, multifuncionalidade de pessoas, componentes e maquinários, e flexibilidade e adaptação de produtos ao mercado. Outro método é o kaizen: ele consiste basicamente em uma melhora contínua, forçando os funcionários a estarem sempre atentos e pensativos em todos os processos de produção, melhorando a capacidade de produção da empresa e competitividade no mercado, sem contar na capacidade de inovação.
Enfim, isso tudo faz parte do cotidiano de um decasségui (trabalhador migrante), que as vezes acaba nem se dando conta de tudo isso ao seu redor devido a intensa rotina de trabalho e acaba deixando esta oportunidade de aprender, algo tão desejado pelo mundo, escapar. Existem também outras coisas que um decasségui pode absorver e diz muito sobre a cultura e comportamento da sociedade em geral com por exemplo: todo decássegui já ouviu alguém falar para fazer “gaman”, o que significa suportar o insuportável com paciência e dignidade. A pontualidade nipônica, que ao meu ver é incrível não só por ser pontual, mas também por uma questão de respeito com quem está esperando. A cordialidade com que se tratam, mesmo diante de uma discórdia. São pequenas coisas que se aprende gratuitamente e que contribuem de forma positiva para o crescimento pessoal do indivíduo.


O Japão é um país que tem muito a ensinar, seja a trabalho ou a passeio. Você tem a oportunidade de enriquecer seu currículo profissional e pessoal com uma cultura que é admirada. Minha experiência nesse país tão civilizado foi inesquecível.